De acordo com as Leis 12.965/2014 e 13.709/2018, que regulam o uso da Internet e o tratamento de dados pessoais no Brasil, ao me inscrever na newsletter do portal DICAS-L, autorizo o envio de notificações por e-mail ou outros meios e declaro estar ciente e concordar com seus Termos de Uso e Política de Privacidade.


Identificação de backups

Colaboração: Rubens Queiroz de Almeida

Data de Publicação: 24 de Dezembro de 1997

É claro que todas as fitas devem ser rotuladas com o conteúdo e data de realização dos backups. O comando dump retem esta informação e é a minha recomendação maior para se fazer backups. Sempre que possível use o comando dump ou equivalente.

Em situações onde se deseja copiar alguns poucos arquivos, o comando tar talvez seja mais conveniente. Para identificar de maneira clara a data em que a fita foi gerada, você pode criar um arquivo cujo nome forneça esta informação. Este arquivo pode ser vazio e seu nome indica o nome da máquina, a data e a hora em que foi criado.

Por exemplo:

% BACKUPPATH=/u/user/backup/
% DATEFILE=${BACKUPPATH}/B.`hostname`.`date +"%m%d%y.%H:%M"`
% touch $DATEFILE

A letra B indica uma convenção tal como B para bancos de dados, S para software, etc. Você decide.

Uma vez criado o arquivo, execute então o backup:

% tar cvf /dev/rmtX $DATEFILE <demais arquivos>

Dias, semanas ou meses depois, quando a identificação já sumiu, basta dar o comando:

% tar tvf /dev/rmtX |head 

O comando head vai filtrar as 10 primeiras linhas geradas pelo comando tar. Como o arquivo que criamos está em letras maiúsculas, ele possivelmente estará entre os dez primeiros:

   B.<hostname>.071696.11:15

E pronto, você achou o que precisava.

É claro que a criação deste arquivo pode ser automatizada através de um shell script, o que é muito mais fácil e menos suscetível a erros.



Veja a relação completa dos artigos de Rubens Queiroz de Almeida