você está aqui: Home  → Colunistas  →  Educação e Tecnologia

Reflexões Pedagógicas sobre Mobilidade na Educação

Por Jaime Balbino

Data de Publicação: 24 de Abril de 2008

No último ano tentamos apresentar de uma maneira acessível alguns dos novos paradigmas educacionais e analisamos, sempre positivamente, a inclusão de novas tecnologias no contexto do ensino. Nosso esforço foi no sentido de contextualizar essas tecnologias, indicando os novos conhecimentos e habilidades necessárias para seu uso efetivo em sala de aula. Sem a pretensão de serem artigos científicos, estes ensaios e crônicas baseiam-se mais no nosso engajamento pessoal, mesmo quando fruto de pesquisas/experiências próprias ou de terceiros. Não raro o tema é definido num momento de inspiração, não sendo fruto de uma organização sistemática que define em si as prioridades.

No presente texto apresentamos uma análise ainda mais pessoal e reflexiva que as demais, já que ainda há muito poucas pesquisas sobre o uso da mobilidade em educação. Esta é uma pedagogia ainda nascente e que muito recentemente tornou-se realidade através de iniciativas pioneiras como a da fundação OLPC que está implementando a mobilidade como política pública para educação no Paraguai, por exemplo. No Brasil, um grupo de estudos ainda avalia iniciativas semelhantes.

Assim, estas reflexões pedagógicas vêm completar outros textos, em especial um laboratório para cada criança e a escola de Maria, este último voltado para a organização do trabalho do(a) professor(a).

Contextualizando a tecnologia móvel

A princípio pensamos que se cada aluno tivesse um computador móvel de sua propriedade, dadas as facilidades de uso e transporte e por este estar sempre disponível, haveria também, potencialmente, infinitas boas práticas educacionais apoiadas nesta realidade. De fato é possível executar diversas ações com quaisquer aparelhos móveis, principalmente quando eles possuem recursos de hardware e software criados especificamente para atividades educacionais. No entanto, assim como ocorre com os computadores desktops dos laboratórios de informática, há um leque relativamente restrito de situações onde o uso da mobilidade pode ser bem aproveitado e uns poucos onde ela é de fato essencial. Não explicitaremos aqui esta última afirmação, mesmo correndo o risco de má interpretação, mas saiba-se que essa questão está relacionada à dinâmica da sociedade, da cultura escolar e a forma como esta última se apropria do novo.

Mas, minimizando os entraves culturais, algumas práticas educacionais e situações cognitivas específicas podem beneficiar-se sobremaneira da introdução da mobilidade na prática escolar. Sem querer encerrar o assunto, segue abaixo aquilo que até o momento pude deduzir em numa busca pessoal.

Descoberta e colaboração

O uso de computadores móveis é viável em atividades de registro e organização de trabalhos coletivos e de dados empíricos. Não se trata somente de substituir o bloco de notas, o diário de campo, a ata ou o relatório. É possível com os aparelhos móveis e a praticidade de transporte e acesso inserir, organizar e encontrar registros com facilidade se houver também softwares específicos para escrita/registro coletivo e controle de versões de textos (num modelo wiki, por exemplo) e, é claro, se os alunos e professores estiverem preparados para compreender a natureza de um trabalho coletivo e aptos a utilizar as ferramentas dentro de seu contexto cognitivo. É como o uso da estatísticas, por exemplo, um aluno que não domine, isto é, que não tenha desenvolvido cognitivamente a capacidade de analisar quantitativamente a informação e sua relevância, não conseguirá coletar e interpretar dados, mesmo que tenha disponível bons softwares, roteiros de estudo e professores.

Assim, num contexto em que os alunos interiorizem maneiras críticas de organizar o trabalho coletivo E também compreendam como é possível quantificar a realidade, o uso da mobilidade pode complementar e facilitar a aplicação destas habilidades em prol da cooperação e de boas práticas de coleta/análise do mundo.

A principal competência adquirida neste caso é aprender a sintetizar idéias e a reconhecer dados e parâmetros. Sendo assim, as habilidades ligadas diretamente ao uso da mobilidade são até pouco relevantes se comparadas ao aumento do potencial de se trabalhar colaborativamente. Um equipamento móvel "solitário" significa muito pouco frente ao reconhecimento de si mesmo advindo do trabalho em grupo e da observação a partir da imersão no meio.

Mas é claro que há habilidades técnicas importantes adquiridas com o uso de aparelhos móveis, todas elas estão ligadas a atividades cognitivas lógico-formais e são bem semelhantes às obtidas com o uso do computador desktop convencional. Porém não quero separar a ação coletiva do processo de descoberta, as duas coisas são parte da mesma compreensão do espaço do cognocente: natureza e sociedade ("o homem é um ser coletivo", disse Marx, e a aprendizagem só se dá realmente em conjunto com o(s) outro(s) e com a natureza, dirão mais tarde Vigotsky, Freire e muitos outros).

Menos (recurso) é mais (possibilidades)

Portanto uma situação específica onde o uso da mobilidade é positivo ocorre quando é necessário registrar, coletar e/ou sistematizar/organizar a informação, sempre dentro de uma metodologia completa que valorize a exploração e o trabalho coletivo. Mas outros usos são possíveis e necessários, como acessar a internet, jogar, comunicar-se... e nestes casos, limitar as possibilidades de uso para equipamentos móveis pode se converter numa estratégia válida para viabilizar boas práticas em sala de aula.

Bem... mais uma afirmação complicada que explicarei melhor: Ao contrário dos computadores desktops, criados a partir do conceito de máquinas com possibilidades infinitas, onde um único computador pode assumir as mais variadas funções. No mundo móvel, por questões culturais e de mercado, os aparelhos tendem a ter funções específicas, distanciando-se, e muito, desta "cultura do desktop". Exemplos disso são os iPods, games portáteis, assistentes pessoais, palms e SmartPhones. Os celulares, apesar de agregarem cada vez mais funções, continuam sendo utilizados basicamente para enviar e receber chamadas, suas outras funções são desconhecidas da maioria dos consumidores e até chegam a ser bloqueadas ou super-tarifadas pelas operadoras. De qualquer maneira, no caso dos celulares a função que desempenham melhor e com mais eficiência é a primeira, o resto tende a ser superfluo, substituível e tem-se a percepção consensual de que são melhor executadas por outros produtos.

Mas o uso de equipamentos móveis com funções específicas tende a valorizar seu uso, não limitá-lo. Desta forma utilizar um aparelho móvel em poucas funções educacionais é uma maneira de valorizar o aparelho para o que foi realmente projetado e, principalmente, exatamente onde a equipe pedagógica pôde se preparar convenientemente. Evita-se a dispersão, o descaso, a sub-utilização e, o que é pior, a constatação de que os usos mais interessantes são aqueles fora da escola.

É claro que um planejamento adequado pode tirar proveito educacional de qualquer ferramenta ou programa, tornando-o interessante também para a atividade escolar. Mas é a limitação da equipe o principal fator que permite pressupor uma reação positiva ao controle mais rígido dos recursos da máquina.

Contextos educacionais

A mobilidade pode ser utilizada em todo o ensino fundamental, no segundo grau, na faculdade, em cursos de especialização e, principalmente, na educação continuada. Também se inclui aí o ensino presencial, a distância e híbrido/semi-presencial. É claro que para cada caso há estratégias específicas. Por exemplo, no ensino fundamental o trabalho deve ser mais básico e lúdico, preparando o aluno para trabalhar coletivamente e desenvolvendo nele a percepção exploratória.

Entre a 4a e 8a séries a tendência seria o aprofundamento destas habilidades, ligando-as aos contextos históricos e o saber socialmente aceito através do princípio da redescoberta, onde os alunos estudam e também analisam criticamente o currículo escolar.

Já no segundo grau e na universidade esta relação pode passar do conhecimento do que já existe para a definição de novos parâmetros, isto é, pode-se cobrar do aluno um posicionamento bem mais crítico e em último nível a criação e defesa de teses e a expliciação de práticas.

Deve-se considerar não somente o conhecimento científico passível de prova através de seus métodos empíricos, mas também o desenvolvimento de outras habilidades como em artes, filosofia, atividades físicas e técnicas. Cabe à escola/sociedade oferecer ao aluno todas as possibilidades de desenvolvimento, de maneiro que o aluno se identifique com aquela que lhe é mais aprazível.

A mobilidade do histórico do aluno

Os demais níveis de ensino (especialização e aprendizagem continuada) usam estratégias bem diferentes e por vezes é aceitável a predominância do modelo expositivo. A situação aqui é definida pela fisiologia dos alunos (agora adultos) e por conta do afunilamento do conhecimento: só se procura especialização naquilo que temos aptidão e a educação continuada se dá naquilo que já é (ou será) nossa ocupação. Aqui a mobilidade não está só vinculada ao uso de equipamentos móveis no apoio ao processo de ensino-aprendizagem; também temos aí a necessidade de acesso ao perfil do estudante e das habilidades já conquistadas. Quer dizer, a mobilidade também significa recuperar o registro do passado do estudante, seu portfólio/currículo, em qualquer tempo e lugar, como referência para os cursos atuais e futuros.

Podem parecer situações distintas (o uso de equipamentos móveis em educação e a mobilidade do registro da vida estudantil do cidadão), mas são situações tão interdependentes quanto ao já citado uso da mobilidade com colaboração. Mobilidade em educação significa ter disponível ferramentas de registro e comunicação para o desenvolvimento de atividades em situações de ensino para além da sala de aula. Isto também significa oferecer suporte ao aluno e professor através de um tráfego facilitado das informações pertinentes, não só referentes ao material de ensino e trabalhos desenvolvidos, mas também de informações fundamentais para definição de pré-requisitos, constituição de grupos e melhor aproveitamento de habilidades já desenvolvidas. Não é só o equipamento que se move, sem fronteiras, mas também a informação útil para o aluno e para a escola.

Neste contexto a criação de redes locais escolares tende a ser mais importante do que o acesso à internet. Um repositório local com amplas e boas referências, dinâmico e bem planejado pode oferecer tanta ou mais informação que a rede global. Além disso, a conexão tende a ser mais rápida e com mais/melhores possibilidades de distribuição dos dados.

Finalizo aqui estas reflexões. Outros podem complementá-las, apontar erros ou limitações, mas que fique claro que nada aqui é definitivo e por isso convido a todos capazes de contribuir (e qualquer um o é) a refletir seriamente, escrever e contribuir nos fóruns adequados, como o 2o Encontro de Laptops na Educação e a excelente comunidade virtual Ambientes de Aprendizagem. Melhores conclusões somente quando tivermos mais práticas, contribuições e pesquisas sobre mobilidade e educação.

Sobre os autores

Jaime Balbino Gonçalves

Jaime Balbino Gonçalves da Silva é Learning Designer e consultor em automação, sistemas colaborativos de ensino e avaliação em EAD. Pedagogo e Técnico em Eletrônica. Trabalha na ProfSAT - TV Educativa via Satélite. Reside em Campinas, São Paulo.

jaimebalb (em) gmail (ponto) com

Marcos Silva Vieira

Professor desde 1986. Pedagogo, criou projetos de laboratórios de informática nas escolas. Coordena grupos de trabalho em educação inclusiva e uso de novas tecnologias. Faz parte de comunidades Linux voltadas a educação como Linux Educacional, Pandorga GNU/Linux dando apoio pedagógico. Palestrante e ministrante de cursos de formação em software livre educacional desde 2009. Participante e palestrante de eventos como Latinoware (foz do iguaçu), FISL (Porto Alegre), Freedom Day (novo hamburgo), Congresso Alagoano de Tecnologia de Informação - COALTI (edições em Alagoas e Pernambuco). Entusiasta de distribuições linux desde 2002.


Para se manter atualizado sobre as novidades desta coluna, consulte sempre o newsfeed RSS

Educação e Tecnologia: NewsFeed RSS

Para saber mais sobre RSS, leia o artigo O Padrão RSS - A luz no fim do túnel.

Recomende este artigo nas redes sociais

 

 

Veja a relação completa dos artigos desta coluna