Acesso direto ao conteúdo
Visite também: Ipok ·  Segurança Linux ·  UnderLinux ·  VivaOLinux ·  LinuxSecurity ·  NoticiasLinux ·  BR-Linux ·  SoftwareLivre.org ·  [mais]   
 

você está aqui: Home  → Colunistas  →  Coluna do Cesar Brod

 

A nova rádio corredor

Por Cesar Brod

Data de Publicação: 11 de Julho de 2008

Em agosto de 2007 iniciei uma série de artigos sobre portais corporativos, onde, dentre outras coisas, escrevi o seguinte:

A exposição de uma empresa na web não se dá apenas no ambiente controlável de seu portal, mas através até dos blogs pessoais e da presença no Orkut de seus funcionários. Afinal, uma empresa é o conjunto das ações e pensamentos de seus colaboradores e, assim como a Internet acabou com as barreiras geográficas, ela também reduziu o limite entre o pessoal e o coletivo, para o bem ou para o mal. Estamos em tempos de "transparência radical"! Por isso, ao se construir a presença da empresa na Web faz muito mais sentido mostrar tudo do que tentar esconder alguma coisa - no limite, porque cada vez mais é difícil esconder qualquer coisa, mas também porque as empresas estão percebendo que seu diferencial competitivo não está em seus segredos, mas em sua capacidade de inovação e renovação.

É interessante, e muito triste, ouvir que, cada vez mais, empresas e instituições bloqueiam acessos de seus funcionários a redes sociais como o Orkut, comunicadores instantâneos como o MSN, vídeos do Youtube e mesmo sistemas de busca na web. As desculpas são as mais variadas, desde a otimização da ocupação da rede até a preocupação com a produtividade dos funcionários. Sempre imagino porque uma empresa contrata ou mantém um funcionário que não é produtivo e, se ele não é mesmo produtivo, se é o corte de seu acesso a determinados meios de comunicação pode resolver o problema de sua produtividade. Quem não quer trabalhar sempre dará um jeito de não o fazer. Já aqueles que querem trabalhar, produzir, contribuir para o futuro da empresa, o melhor é que possam ter a seu alcance qualquer coisa que incentive a sua criatividade e comunicação com o mundo.

Ainda bem que já começa a acontecer um movimento de "contra-censura", a favor do bom senso e da confiança que deve, desde sempre, ser a base da relação entre as empresas e seus colaboradores. Em seu blog WebInkNow, David Meerman Scott aponta que 25% das empresas bloqueiam, de alguma forma, o acesso de seus funcionários à internet, lembrando também do tempo em que apenas alguns "escolhidos" podiam ter acesso ao correio eletrônico. Caso você trabalhe para uma empresa deste tipo, David sugere que você recomende a eles algumas leituras, inclusive a de seu próprio livro "The New Rules of Marketing and PR: How to Use News Releases, Blogs, Podcasting, Viral Marketing and Online Media to Reach Buyers Directly". Caso sua empresa insista em bloqueios, o melhor a fazer é mudar de emprego.

A rádio corredor (também chamada rádio peão, cafezinho ou banheiro) sempre existirá. É na comunicação informal entre colegas de trabalho, pessoas com interesses similares e amigos que podem surgir idéias novas e estimulantes. Sábias as empresas que sabem valer-se desse tipo de espaço. Parabéns para a IBM, que usou sua própria estrutura de publicação web para colocar suas sugestões de melhores práticas no uso de blogs, wikis e redes sociais.


Essa ou outra dica ou artigo do Cesar Brod permitiram que você economizasse dinheiro? Que tal você incentivar o autor a continuar produzindo textos que podem auxiliá-lo em seu trabalho doando a ele qualquer quantia através do PayPal ou PagSeguro?

Doação através do Paypal

Doação através do PagSeguro

Sobre o autor

Cesar Brod é empresário e consultor nos temas de inovação tecnológica, tecnologias livres, dados abertos e empreendedorismo. Sua empresa, a BrodTec, faz também trabalhos tradução e produção de conteúdo em inglês e português. Além de sua coluna, Cesar também contribui com dicas para o Dicas-L e mantém um blog com aleatoriedades e ousadias literárias. Você pode entrar em contato com ele através do formulário na página da BrodTec, onde você pode saber mais sobre os projetos da empresa. Mais sobre o Cesar Brod.


Para se manter atualizado sobre as novidades desta coluna, consulte sempre o newsfeed RSS

Para saber mais sobre RSS, leia o artigo O Padrão RSS - A luz no fim do túnel.

Recomende este artigo nas redes sociais

 

 

Veja a relação completa dos artigos de Cesar Brod

Formato PDF
Newsfeed RSS
Formato para impressão
PDF RSS Imprimir
  • Currently 3.08/5
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5

Avaliação: 3.1 /5 (323 votos)

Opinião dos Leitores

Sr. Inath
27 Jul 2008, 23:06
O Guilherme fala como se o brasileiro em geral simplesmente não trabalha. Falar, discutir e cometar assuntos não relacionados ao trabalho não
é coisa de brasileiro, é coisa do ser humano. A pessoas precisam interagir entre si e isso vai fazer com que se sintam mais a vontade umas com as outras e que no final das contas vai ajudar na produtividade em geral.

No Brasil se discute o brasileirão, nos EUA o Super Bowl, no Canada a copa Stanley na Europa as últimas dos respectivos campeonatos locais. Filmes, Big Brother e Noticias exóticas existem em qualquer lugar do mundo, assim como videos ridículos no Youtube e idiotices no MySpace e FaceBook.

É claro que sempre tem um ou outro que abusa, nesse caso a pessoa deve tomar advertência(s) ou ser demitida, dependendo da gravidade do caso.


Rafael
19 Jul 2008, 17:57
Então... particularmente sou a favor de deixar aberto e instruir para a boa prática.

Na autarquia onde trabalho há apenas uma verdade: 80% dos funcionários gosta de ganhar o salário, mas não gosta de trabalhar e, portanto, mesmo que o Orkut esteja bloqueado, os 80% ociosos sempre acham uma "atividade muito importante" em outro setor e se divertem vendo as fotos digitais baixadas pelas portas USB's do último churrasco secreto da panelinha dos bebun's.

Logo, bloquear o Orkut, as portas USB's, os CD-ROM's... :D Não adianta... principalmente no mundo do "Janelas" (abertas)!
Fabio Lima
17 Jul 2008, 00:35
Guilherme,
Permita-me discordar.

também sou empresário, e gostaria de propor uma visão diferente sobre a questão.

O que é importante para a empresa? Que o funcionário esteja trabalhando 100% do tempo em que está disponível na empresa, ou que ele seja capaz de fazer tudo o que a empresa precisa que ele faça?

O ponto em que não concordo é que não importa o que o funcionário faça no tempo em seu tempo vago (estando ou não em horário de espediente), mas sim o se o mesmo dá conta do trabalho que lhe é atribuído. Deixemos a internet livre para os funcionário, eles serão (ou deveriam ser) devidamente analisados conforme a sua produtividade para a empresa.

Não interessa o nível de ganho ou o tempo perdido na internet (até porque, parte desse tempo pode está gerando ganhos indiretos à empresa), mas sim, se o funcionário se paga no final das contas. Acredito eu que esse seja o sentido procurado pelo Cesar em seu artigo.

Raciocínio, por sinal, que eu como empresário concordo e assino em baixo.

Vale ressaltar porém, que cada empresa tem sua própria cultura, e portanto, pode haver casos em que não haja possibilidade de se utilizar esse tipo de política.

[]'s

Fábio Lima
Fortaleza - CE - Brasil
Alvaro
16 Jul 2008, 11:10
Trabalho com TI numa empresa de porte nacional e tenho uma Lan House, por isso me prontifico a falar sobre o ponto de vista gerencial e tecnológico:

Acredito que o meio termo é geralmente uma boa saída: para quem tem micro na mesa, orkut e youtube de forma alguma, msn e skype (são ferramentas profissionalmente sensacionais)moderadamente sem troca de arquivos e sites sem conteúdo pornográfico totalmente liberados.

Mas como sempre existe a turma do contra, uma máquina de acesso coletivo com tudo liberado, de forma que o pessoal se organize e use com sabedoria... viva a democracia!

Abraços!

Álvaro.
Neilor
16 Jul 2008, 10:24
Não concordo com autor David de taxar as empresas que se utilizam desta forma para assegurar produtividade e foco nas atividades do dia-a-dia. É preciso analisar cada cenário, cada situação, a banalização dos usuário para acessar assuntos extras profissionais é muito grande. Dentro de cada empresa cfe. sua realidade vejo que é preciso sim, ter algumas políticas de TI para zelar pelas informações da organização e o bom rendimento dos trabalhos. É preciso lembrar que as grandes invenções do mundo foram criadas quando não havia internet...então ela não pode ser responsabilizada como a única provedora, estimuladora de idéias na cabeça dos profissionais. A questão é cultural, para isso precisamos ir nos doutrinando cfe. cada realidade.
Heitor Souza
16 Jul 2008, 10:05
Não existe confiança, quando muquiranas ficam até 4 hora dia, vendo sacanagem e pendurados em redes sociais. O que pode levar ao empresário questionar a necessidade do colaborador. Afinal um colaborador, que cumpra seu horário contratado pode perfeitamente substituir dois muquiranas.
Juliano Morona
15 Jul 2008, 17:35
É um tema dificíl de ponderação, pois cada empresa tem uma condição diferenciada, mas com certeza é inadequado afirmar que uma política de acesso a internet baseada em restrições em qualquer condição é um erro. Para uma empresa de tecnologia certamente não.

Concordo plenamente com a posição do Guilherme que o bom senso é que deve prevalecer. Os extremos sâo sempre errados.
Guilherme
15 Jul 2008, 15:58
Este ponto de vista infelizmente não reflete a realidade do brasileiro. Basta ser empresário para você descobrir quanto tempo seu funcionário passa discutindo assuntos que não estão vinculados ao negócio.

Na segunda-feira, discute-se a rodada do Brasileirão (Séries A e B)...

Na terça-feira, o filme que passou na Globo.

Na quarta-feira, a rodada do Brasileirão, Liberatadores...

Na quinta-feira, sobre os resultados do futebol, transferência de jogadores para a Europa, e agitos para o fim de semana

Na sexta-feira é o dia nacional da preguiça, ritmo de festa...

Inclua nesta lista os acessos aos vídeos do Youtube, os infinitos scraps do Orkut e tudo mais de fútil.

Infelizmente esta cultura está em nosso povo e reflete-se em nossos profissionais. Uma saída que tive foi permitir o acesso irrestrito durante alguns períodos do dia para tirar a sensação que "estamos sendo bloqueados".

Para terminar, parem e reflitam sobre casos de funcionários que passaram informações confidenciais para a concorrência de dentro da própria empresa...

Acho que deve haver um certo BOM SENSO ao análisar o mérito da questão, pois no artigo acima a impressão é de que bloquear é um crime contra a criatividade, e nem sempre isto é verdade.

Rafael O_TAL
15 Jul 2008, 13:59
Essa visão funciona, mas depende da empresa e varia muito com o nível de instrução, leia-se educação, dos funcionários. Tem lugar que a solução é bloquear mesmo, senão não tem jeito; e podemos trocar todos os funcionários que vai continuar da mesma forma e o bloqueio será inevitável.
Alôncio
15 Jul 2008, 11:08
Cesar, infelizmente não pude acessar os links sugeridos no teu artigo, estão bloqueados aqui na firrrma. Alíás, peão não precisa informação nem entretenimento, ainda mais numa firrrma que vende informação e entretenimento.
Opa, melhor eu ficar quieto antes que bloqueiem o Dicas-l também.
Abra$$$etas.
*Nome:
Email:
Me notifique sobre novos comentários nessa página
Oculte meu email
*Texto:
 
  Para publicar seu comentário, digite o código contido na imagem acima
 


Powered by Scriptsmill Comments Script


Aprenda a Programar A Arte de Ensinar o Computador